fbpx
viajar com o cão

Passo a passo de como viajar com o cão

Pensar nas férias sem o pet é uma coisa impossível para muitas pessoas. Viajar com o cão ainda é um assunto que gera dúvidas e receio em muitos donos. Se esse é seu caso, veio ao artigo certo. Para facilitar a sua vida e para a alegria do seu amigo que não vai mais precisar ficar em hotelzinho e sem a sua presença, fizemos um manual, um passo a passo com dicas e regras para viajar com cachorro no ônibus, viajar com cão em avião, viajar de carro. E o mais importante, ter tranquilidade, comodidade e muita diversão.

Viajar com o cão de carro

Levar seu animal em viagens de carro é o processo menos “burocrático”, mas que deve ser bem seguro. Viajar com o cão de carro é permitido desde que o bichinho seja transportado em local apropriado.  

Regras de trânsito

Por lei, os animais de estimação não podem andar soltos no carro. As caixas, os cintos e bolsas de transporte são garantias de segurança para seu pet e também para quem está dirigindo (imagine seu cão pulando no seu colo com o carro em movimento). No caso das caixas de transportes, o ideal é que seja previamente familiarizado, por meio de associações positivas, para evitar o estranhamento e estresse. Veja mais abaixo sobre as caixas.

Além das caixas, ainda há a opção da cadeirinha para cachorro é um item que pode ser utilizado em passeios ou para viagens. Destinado a animais de até 15 kg é de fácil instalação, com altura regulável, permitindo que seu animal fique na altura da janela.

Enjoo

Nem todos os cães se sentem confortáveis em passeios de carro, nesses casos, é bom ter maior atenção aos percursos mais longos, porque eles podem provocar enjoos no animal. Caso vá viajar com o cão de carro, e ele já tenha apresentado desconfortos em pequenos passeios, o mais indicado é pedir orientação ao veterinário, para a prescrição de medicamentos que evitam o desconforto. A alimentação pré-viagem também deve ser feita com pelo menos duas de antecedência. Comer próximo ao horário da saída, aumenta a chance de vômitos.

Adaptação

Se o seu cãozinho ainda não tem costume de andar de carro, não é recomendado fazer uma viagem muito longa antes da adaptação. Se ele não estiver habituado pode apresentar medo do carro e a viagem não será nada prazerosa. A dica é levá-lo a passeios curtos, e ir aumentando a distância do trajeto gradativamente. Somente depois que perceber que ele está tranquilo com carro, é que deve-se pensar em uma viagem mais longa.

Faça paradas

Durante o trajeto, é importante que o condutor faça paradas para que o bichinho possa beber água, fazer suas necessidades e gastar um pouco de energia. O recomendado é que essas pausas sejam feitas a cada duas horas, mais ou menos.

Cuidado com a temperatura

A temperatura do carro também deve estar agradável, os animais sentem muito calor, principalmente os mais peludos.Se for viajar com o cão em um dia muito quente, aproveite as parada para molhar uma toalha em água fria, e ir refrescando o pet dentro do carro.

Caixas de transporte para viagens

As caixas de transporte são muito importantes para o bem-estar, segurança e conforto do pet. Além disso, é um acessório essencial para viajar com o cão. Se você ainda não tem o hábito de usar, o ideal é ir acostumando o animal aos poucos, por meio de incentivos como brinquedos e petiscos.  Mas lembre-se que elas, como o próprio nome sugere, são apenas para transportar. Para o dia a dia, nunca deixe seu bichinho trancado nelas.

Segurança

A melhor solução para garantir a segurança do seu pet, é a utilização de caixas de transporte para cães de pequeno, médio e grande porte, pois existem no mercado caixas de diversos tamanhos. A segurança é tão importante, que para viajar com o cão de avião mesmo que dentro do país, só é permitido o transporte de animais na caixa, ainda que eles viajem na cabine.

Conforto

Assim com as pessoas, alguns animais sentem desconfortos com viagens, por isso é tão importante aderir às caixas de transporte para cães. Quando o pet estiver acostumado, a caixa será para ele como sua “casa”, seu “refúgio”, algo reconfortante ao longo do percurso. Além disso, enquanto o animal estiver dentro da caixa de transporte, poderá descansar tranquilo e livre de chateações causadas por outras pessoas e ou outros animais que queiram brincar a todo tempo.  Afinal, viagens também cansam os pets.

Praticidade

A locomoção no colo e com malas de casa para o carro, do carro para o local de destino, ou do avião para o hotel, podem estressar e ou deixar o animal bem agitado. É muito mais prático e rápido tanto para o dono, quanto para eles, usar caixas de transporte ao viajar com o cão. Além disso, algumas raças e filhotes de cães costumam ser mais “destrutivos”. Na falta de estímulos corretos, e entediados com a viagem, poderão roer aquilo que encontrarem pela frente. Na caixa com seus brinquedos, o pet estará entretido e não vai precisar atacar os bancos e ou cintos do carro.

Caixas rígidas

As caixas de transporte rígidas são feitas de fibra e plástico, dando mais estabilidade no transporte e locomoção. Mas ao escolher esse modelo, é preciso procurar por fabricantes que utilizem materiais fortes e resistentes, para garantir a segurança, e evitar que possíveis mordidas e arranhões furem ou quebrem a caixa. Além da resistência, outra vantagem das caixas rígidas é a facilidade na limpeza por serem de plástico. São ideias para viajar com o cão que vai no compartimento de bagagem ou que serão transportados como cargas.

Caixas  flexíveis

As caixas de transporte flexíveis são feitas de pano e de outros materiais que deixam a estrutura acolchoada. Funciona como se fosse uma bolsa. Além de ser fácil de guardar, ela  pode ser encaixada em vários espaços devido a sua maleabilidade. É Ideal para animais de pequeno porte viajarem na cabine do avião, perto do dono.

Cadeirinha para cachorro

Além das caixas, em viagens de carro, o dono ainda pode optar por transportar seu pet, em uma cadeirinha para cachorro. Esses assentos geralmente são destinado ao transporte de animais com até 15kg. Além da fácil instalação, pode-se regular a altura, para que o cão fique na altura das janelas. Algumas raças ficam mais tranquilas e confortáveis, ao acompanhar o movimento da rua pelo vidro. A cadeirinha já vem preparada para ser usada com peitoral, evitando assim que o pet coloque a cabeça para fora da janela, o que é perigoso e ainda pode resultar em multas.

Viajar com cachorro no ônibus

De acordo com a Lei n° 2.251/98 da Agência Nacional de Transportes Terrestres, ANTT, os bichinhos também podem andar de ônibus. Mas é importante saber que além das regras gerais para viajar com cachorro no ônibus: o transporte em uma caixa transportadora, um atestado veterinário comprovando as condições de saúde e as vacinas, cada estado possui suas próprias regras e alguns detalhes podem variar.

Algumas companhia rodoviárias possuem normas específicas para viajar com o cão como, por exemplo, a compra da passagem do assento ao lado para ser ocupado pelo bichinho. Já outras permitem que o dono transporte seu pet dentro da caixa no colo.  Ainda pode haver limites ao porte da raça e quantidade de animais por ônibus.

Veja se o seu animal está dentro dos pré-requisitos

Para viajar com cachorro no ônibus, o animal precisa ser de pequeno porte, ou seja, com no máximo 10 quilos, com exceção de cães-guia que podem acompanhar seus donos independente do tamanho. Vale lembrar, ainda, que cada veículo pode transportar no máximo dois animais por viagem. Ainda é muito importante estar atendo à identificação do animal de estimação. Para isso, coloque na coleira o nome do pet e um telefone para contato.

Mantenha a higiene da caixa

Além de escolher um modelo de caixa transportadora adequado ao seu tamanho e capaz de deixar o pet confortável durante toda a viagem, é preciso também se preocupar com a higiene do contêiner. O dono deve se preocupar em fazer a limpeza e higienização da caixa em cada ponto de parada. Caso isso não seja feito, o re-embarque pode ser proibido.

Providencie os documentos

Para viajar com o cão de ônibus, é preciso apresentar o documento oficial para transporte de animal no Brasil, conhecido como Guia de Trânsito Animal (GTA). Para conseguir a emissão desse documento, é preciso estar com a carteirinha de vacinação em dia, e com um atestado que comprove as condições de saúde do animal.

Marque uma consulta veterinária

Você vai precisar levar o seu cãozinho ao veterinário para verificar as condições de saúde dele, e também para a emissão do atestado citado acima. E é importante lembrar que esse documento só é válido por no máximo 15 dias, então não vá a consulta com muito tempo de antecedência. E se seu pet for muito agitado ou se costuma latir muito, é bom aproveitar a visita e conversar com o veterinário sobre a necessidade de sedação. Em alguns casos essa medida é essencial para não causar desconforto ou transtorno aos demais viajantes.

Esteja preparado para pagar uma passagem extra

As Agências de Transporte de alguns estados, como por exemplo, São Paulo,  determinam que para viajar com cachorro no ônibus, o proprietária precisa pagar uma passagem extra, referente a poltrona ao lado. Porém a caixa de transporte deve ser colocada, de preferência, embaixo do banco da frente.

Viajar com cão em avião

Se você quer viajar com cão em avião a boa notícia é que está cada cada dia mais fácil. Algumas companhias aéreas já estão sendo mais flexíveis para facilitar a vida dos donos e o conforto dos animais.

Para viagens aéreas nacionais, é importante verificar as regras da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e, também, as da companhia que você irá viajar. De forma geral para os vôos nacionais, as regras básicas para se viajar com com o cão são: atualizar as vacinas e apresentar atestado veterinário, avisar a companhia aérea com antecedência antes mesmo de concluir a compra da passagem sobre o animal que pretende transportar, e sobre as delimitações da caixa de transporte.

A viagem para o exterior requer um pouco mais de cuidado, porque alguns países têm regras próprias sobre receber animais. É fundamental se informar com a companhia sobre elas. Deve-se organizar tudo com antecedência e contar com alguns custos extras de documentação.

É importante lembrar de ir ao veterinário pois as leis exigem que a vacina contra raiva já tenha sido realizada há pelo menos 15 dias para vôos dentro do país. E para viagens para o exterior, alguns países exigem também exames de sangue.

Preparação antes de comprar a passagem

Primeiro de tudo, você deve verificar se a companhia aérea permite que o animal viaje dentro da cabine ou no compartimento de carga e quais são as especificações para cada caso. A permissão sobre o local do transporte e a quantidade máxima de animais por voo variam de acordo com a empresa aérea. Ainda é muito importante após comprar as passagens, solicitar à companhia a confirmação de que você vai viajar com o cão de avião entre 3 e 48 horas de antecedência.

Documentos básicos para voos nacionais

É preciso ter uma documentação básica para viajar com o cão em voos nacionais. É importante se informar sobre eles o quanto antes, porque alguns precisam de um tempo prévio de emissão:

  • Atestado de saúde do animal: o documento deve ter sido emitido por um médico veterinário, com validade de 10 dias da data de emissão.
  • Comprovante da vacinação antirrábica, com o nome do laboratório produtor, o tipo da vacina e o número da ampola utilizada. A vacina tem que ter sido tomada entre 30 dias e um ano antes do embarque.

Documentos básicos para voos internacionais

Um dos documentos mais importantes é, o CVI (Certificado Veterinário Internacional) que será emitido pelo Ministério da Agricultura. Ele é uma espécie de passaporte do animal. Para sua emissão são necessários alguns processos, como a colocação de um microchip subcutâneo no pet, a atualização da carteira de vacinação e a realização da sorologia de raiva.

  • Certificado Veterinário Internacional – CVI: certificado emitido para voo internacional. Válido por 60 dias corridos a partir da emissão.
  • Atestado Sanitário: deve constar no documento que o animal de estimação está em boas condições de saúde. Deve ser emitido 10 dias antes da emissão do CVI.
  • Carteira de vacinação: obrigatória para animais a partir dos três meses de idade. Deve ter sido aplicada há mais de 30 dias e menos de 1 ano.
  • Certificado Zoosanitário Internacional – CZI: certificado emitido para voo internacional. Válido por 60 dias corridos a partir da emissão.

Viagem no compartimento de carga

Certamente não é o que a maioria dos donos querem, mas algumas companhias só permitem viajar com o cão no porão. Mas não se preocupe quanto ao conforto e segurança do animal. O compartimento é despressurizado e iluminado. O pet é sempre colocado por último e retirado primeiro. No desembarque, ele não vai para a esteira de bagagens, um funcionário entrega o animal em mãos para o dono.

A vantagem do transporte no compartimento de carga,  é que a caixa de transporte pode ser maior, dando mais conforto ao seu animal.E os funcionários são os responsáveis por manter água e comida ao animal em caso de atrasos. A dica é identificar a caixa e a coleira com telefones, endereços e informações básicas, e além da alimentação, deixar também um tecido e ou objeto com o cheiro do dono para o cão ficar mais calmo. Consulte o valor do serviço diretamente na companhia.

Viagem na cabine

Cada empresa tem regras próprias sobre o peso do animal para que você possa viajar com o cão dentro da cabine, e esse peso total é a soma do animal + caixa de transporte. De forma geral as companhias exigem que a caixa respeite medidas específicas, uma vez que as mesmas vão ser acomodadas embaixo da poltrona da frente, sob os pés do dono. Além de caber embaixo do assento, a caixa precisa permitir que o animal fique de pé e consiga dar uma volta em torno de si.

É proibido soltar o animal, leva-lo no colo, ou na poltrona do lado. Além dessas regras de segurança, é necessário que o animal esteja limpo e com as unhas cortadas, para o conforto dos outros passageiros.Consulte o valor do serviço diretamente na companhia.

Cuidados com o cão antes da viagem

Além de toda a burocracia de transporte para viajar com o cão, é preciso adotar alguns cuidados para que seu amigo não sofra durante a viagem e também não fique traumatizado, impossibilitando um próximo passeio.

Primeiro de tudo, assim como faz para você, seu cão também precisa de uma bagagem. A mala do animal deve conter itens básicos, como: guia e coleira, ração, água e comida bem armazenadas, toalha, brinquedos, caminha, e também uma “farmácia” com os remédios recomendada pelo veterinário.

Dê uma alimentação leve no dia da viagem e com antecedência de duas a três horas. Estimule para que ele beba bastante líquido e esteja bem hidratado. Alguns minutos antes do horário da saída ou do embarque, dê uma voltinha com ele, para que faça xixi, e exercite a musculatura. Não o coloque na caixa de transporte antes do necessário, porque quanto menos tempo ele ficar preso, melhor.

Depois de tudo arrumado, confira o checklist:

  • Verifique com antecedência se o hotel tem alguma restrição sobre animais de estimação;
  • Esteja com saquinhos plásticos, para recolher as fezes durante a viagem;
  • Coloque identificação na coleira e na caixa do seu pet, com nome, telefone e dados básicos;
  • Consulte o veterinário antes da viagem;
  • Verifique se já guardou na sua bolsa os documentos do animal;
  • Não esqueça de preparar a bagagem com a quantidade necessária de água e comida.

Cuidados para o cão não se estressar durante a viagem

O Tempo preso na caixa de transporte, os enjoos durante o trajeto, a mudança de local e ou o número maior de pessoas desconhecidas, podem fazer com que o animal fique estressado durante a viagem.

Para viajar com o cão mais tranquilo, uma boa opção é caminhar com ele algumas horas antes. Além de gastar energia, vai ajudar a relaxar o animal. Dentro da caixa de transporte, leve objetos com o cheiro do animal e também do dono.

Se estiver próximo durante o trajeto, converse com seu cachorro, para deixá-lo mais confortável, uma voz familiar pode tranquilizá-lo. Ele perceberá que não está sozinho e ficará mais calmo.  Da mesma forma, quando possível, coloque músicas e ou sons com harmonias relaxantes.

Você pode, ainda, escolher pegar a estrada e ou embarcar  próximo ao horário que o cão costuma dormir, dessa forma vai facilitar o relaxamento. E ainda caso tenha dois cachorros que estão acostumados um ao outro, tente colocá-los juntos, para que eles possam se reconfortar durante a viagem.

Por fim, pense na possibilidade de tratamentos alternativos e naturais, como florais e ou chás de ervas calmantes.

Dicas para adaptação ao chegar no local desconhecido

Existe no mercado uma substância chamada  feromônio, é um produto feito para ser usado no ambiente que o cachorro esteja, para auxiliar o animal a enfrentar medos e fobias, e ainda ajudar a adaptá-los em em um novo local.

Além disso, ao viajar com o cão, reserve os primeiros dias para visitar com ele lugares divertidos, como um parque ou uma floresta, para que a viagem seja recompensadora e assim ele se adapte mais facilmente.

Se for ficar hospedados em hotel, ainda que tenha descrição de Pet Friend, confirme se há área pro seu cão fazer as necessidades, e espaço para brincar e deixá-lo solto. Monte um cantinho “só dele” com todos seus pertences, e ainda faça um “tour” com ele por todo o espaço para auxiliar na adaptação

Dá sim para ter a companhia do seu bichinho durante as viagens, basta se organizar para que tudo esteja dentro das regras e corra bem. Se gostou do artigo sigo nosso blog para ficar por dentro de muitas outras dicas sobre saúde  e bem-estar dos pets.
Ah, ainda pode acompanhar muitas novidades no nosso Facebook e Instagram.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.